Início arrow Blog do Thelmo

Blog do Thelmo
Lula transamazônico PDF Imprimir E-mail

 

Que belo monte aquele por de trás daquelas árvores, logo após o rio Xingu. Que lugar lindo, quente, limpo, que biodiversidade. Sem dono. Como pode? Ninguém teve a ideia de montar um resort nesse paraíso? Seria o Éden, águas límpidas, frutas maduras, sombra, sono ao canto de pássaros e belas meninas índias para cortejar. Tudo, aqui seria permitido, longe do mundo progresso. Que lindo lugar para montar um resort. Os militares fizeram a parte mais difícil, derrubar as árvores que atrapalhavam a passagem. Árvores malditas, encravadas na terra, como se essa fosse feita para elas. A luz elétrica está para chegar. As águas estão esperando o progresso. Ouvimos o tilintar das corredeiras clamando o concreto armado. Suas bobinas, cabos, resistores, aço. A natureza clama no Xingu pelo líder branco que irá trazer o progresso para as águas límpidas. Quem não entende o progresso? Reinventar o Brasil que nós queremos não é ser a cópia do passado que fracassa. Seremos o novo significado sendo os mesmos. Com uma pitada recrebada de malemolência.

Seja o primeiro a conmentar este artigo. | Adicionar como favorito (274) | Publique este artigo no seu site | Visto: 1504

Última Atualização ( 27 de abril de 2010 )
Datena Warhol PDF Imprimir E-mail
 

Comentários (3) | Adicionar como favorito (276) | Publique este artigo no seu site | Visto: 1002

Última Atualização ( 21 de abril de 2010 )
Nardoni Warhol PDF Imprimir E-mail

Sábado fui na Pinacoteca de São Paulo ver a obra de Andy Warhol. Quero brincar de ser pop brazuca.

Seja o primeiro a conmentar este artigo. | Adicionar como favorito (342) | Publique este artigo no seu site | Visto: 956

Última Atualização ( 21 de abril de 2010 )
Kastelo - Teatro da Vertigem PDF Imprimir E-mail


Livre criação a partir da obra O Castelo, de Franz Kafka, o espetáculo acontece no interior e na fachada de um prédio comercial envidraçado. As cenas se desenrolam em estreitos balancins de construção dispostos diante da fachada, onde os atores atuam pendurados por cordas de segurança. O público, imóvel do lado de dentro do prédio, assiste à encenação através da janela: incapacitado de tomar parte da ação, contempla o seu desenrolar de maneira passiva. Sua imobilidade aproxima os espectadores da perspectiva dos personagens de Kafka, que, incapazes de interferir de maneira efetiva na realidade que os rodeia, assistem a seu próprio destino ser decidido às suas costas.

Comentários (5) | Adicionar como favorito (343) | Publique este artigo no seu site | Visto: 1343

Última Atualização ( 27 de janeiro de 2010 )
Leia mais...
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Resultados 73 - 81 de 196